21 de julho de 2010

O Grande Especialista em Milagres


João seis começa com três palavras importantes para o cenário: “Depois destas coisas…” Quando ler estas palavras em sua Bíblia pergunte: “Que coisas?” O registro de João sobre esse milagre é precedido por outros cinco capítulos, e se você entrar subitamente no meio de uma história seria como iniciar um romance na metade.

Em João seis encontramos não somente um vento familiar, mas algo sem paralelo, por razões diversas.

Primeiro, é o único milagre mencionado nos quatro evangelhos, parecendo então extremamente importante para os quatro evangelistas e para o próprio SENHOR.

Segundo, é o único relato em que JESUS pediu o conselho de alguém.

Terceiro, é um “milagre absoluto”, isto é, não se trata de alguma coisa natural sendo alterada.

JESUS escolheu seus discípulos e os enviara para o ministério. Eles visitaram cada povoado proclamando o Evangelho. Agora estão de volta com JESUS, cansados e exaustos.

“Depois destas coisas, atravessou JESUS o mar da Galiléia. Seguia-o numerosa multidão, porque tinham visto sinais que ELE fazia cura. Então, subiu JESUS ao monte e assentou-se ali com SEUS discípulos.” João 6:1-3

Os discípulos estão cansados e querem ficar sós, JESUS levantou os olhos e viu um enorme ajuntamento de pessoas se aproximando, bem mais de cinco mil pessoas.

O lugar era ermo e, além de tudo, o pessoal estava com fome. Os discípulos não tinham suprimentos para alimentar aquelas pessoas. Era uma situação impossível.

Mas, era isso que JESUS queria, porque aqueles discípulos são como eu e você. ‘Oh, não, SENHOR, o que podemos fazer?” Mas JESUS viu a situação como uma perfeita oportunidade para um milagre Classe A. ELE explicou-lhes que era filho de DEUS. DEUS encarnado. Aquela era a oportunidade de vê-lo em ação.

ELE então os provocou. O primeiro a ser chamado foi Filipe. “Onde compraremos pães para lhes dar de comer?”

JESUS sabia o que pretendia fazer. ELE sempre sabe! O processo de aprendizagem é para o nosso benefício. ELE sabe como vamos terminar, mas não nos coloca numa máquina cósmica do tempo e nos catapulta para o final. Permite que passemos pela experiência. Lembre-se , ELE quer que perseveremos nos momentos de pressão, confiando NELE durante as situações impossíveis.

Disse, então Filipe: “Onde vamos encontrar pão para alimentá-los?”

Por que Ele se dirigiu a Filipe? ELE queria determinar se Filipe já havia aprendido a confiar NELE. Quero dar a você um vislumbre do íntimo de Filipe, isso vai explicar porque JESUS se voltou primeiro para este discípulo. Foi Filipe quem, mais tarde, disse ao SENHOR; “Permita apenas que vejamos a DEUS, e não teremos mais dúvidas.” Filipe era um homem que tinha de ver tudo.

Tudo que JESUS queria que Filipe dissesse era: “Não sei. É impossível para mim, mas não é para o SENHOR, e vou esperar e ver a SUA solução.” Não foi, porém, isso que Filipe disse.

Aí entra em cena outro discípulo, André. E ele informou a JESUS que havia um menino com cinco pães de cevada e dois peixinhos. No entanto, não parou nesta afirmação, prosseguiu; “Mas, o que é isso para tanta gente?” Deu a informação que não lhe foi pedida, O SENHOR nem sequer o respondeu; este modo “pequeno” de pensar O desanimou!

Isso é aplicável a todos nós, “Andrés”, trabalhadores e diligentes, mas que somos derrubados pela perspectiva das circunstanciais serem contra nós.

Você talvez não tenha muito a dar, mas aquilo era tudo o que o rapazinho possuía e tudo o que André pôde encontrar; era também tudo de que o SENHOR precisava. Apenas aquilo.

Agora o milagre. Você lembra da história?. Da maneira mais discreta, JESUS disse aos discípulos: “Fazei o povo assentar-se. O povo sentou….” Então, JESUS tomou os pães e dando graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam.” João 6:11.

“E quando estavam fartos…” (v 12). Isso é típico do SENHOR. ELE não só faz o impossível, mas, faz abundantemente mais do que qualquer um poderia pedir ou pensar. Deu ao povo até ficarem fartos. Realizou a sua especialidade: fez o impossível.

Sabe o que os discípulos aprenderam: Quando você enfrenta uma impossibilidade, deixe-a nas mãos de DEUS, O Especialista. Recuse-se a fazer cálculos. Recuse-se a duvidar. Recuse-se a se preocupar. Recuse-se a resolver sozinho.

Em vez disso diga: “SENHOR, isso é impossível para mim, mas, não para o SENHOR.” A perseverança nos momentos de maior pressão das impossibilidades, exige esse tipo de confiança.

Charles Swindoll, em “PERSEVERANÇA”

Fonte: Salmo 37

2 comentários:

  1. Ótimo texto. Eu nessa semana li o livro de 2º Reis, e Deus falou ao meu coração, me fazendo lembrar do que eu li, sobre confiança. O rei Ezequias confiou no Senhor como nenhum outro antes e depois dele (2º Reis 18.5-6).
    Que nós venhamos a aprender a confiar no Senhor nosso Deus, que é o Único.
    E obrigado Alexandre, por estar seguindo o meu blog(http://lucianoac.blogspot.com/), já estou aqui, seguindo o teu.
    Que Deus abençoe em Cristo.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Obrigada pelas palavras!
    Desejo o mesmo a você!! Que possamos continuar evangelizando e levando amor para as pessoas!!
    Vou seguir seu blog!

    Paz e bem!!

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails