23 de agosto de 2010

Marco Feliciano tenta explicar sua mudança política





Marco Feliciano tenta dar uma explicação aos seus fiéis e potenciais eleitores sobre uma declaração sua, em que diz que nunca entraria na política. Para se justificar, Feliciano utiliza vários exemplos e afirma que "os homens da Bíblia foram políticos". Ainda de acordo com o conferencista internacional:

Jesus tinha afinidades com políticos, até porque ele foi sepultado na sepultura de José de Arimatéia, que era um senador romano. Jesus teve um encontro particular com Nicodemus, que era um homem que, além de ser doutor da lei no religioso, tramitava pelo Sinédrio.

Por causa de alguns fatos políticos, como a PL 122 e o Psiu, Feliciano afirma que:

eu acordei e vi a besteira que eu fiz quando eu disse que, como pastor, eu jamais me envolveria em política porque eu não me rebaixaria

sou candidato a deputado federal, não me envergonho disso, isso não me rebaixa. Até porque existe ex-político, mas não existe ex-pastor, não existe ex-ungido. Eu posso estar político por 4 anos, se Deus permitir, quem sabe mais, mas eu nunca deixaria de ser pastor.

Ainda sobre a união entre pastorado e política, Marco Feliciano tem mais um vídeo:







***
por Nani Rezende editora do Blog Nani e a Teologia

6 comentários:

  1. A convicção com que ele fala é bem interessante...
    Argumentos muito bons... não sei se ele tem formação em direito ou mesmo advoga, MAS há de convir que, como muitos que falam muito, fala muita besteira e faz muitos exageros para refutar algumas asneiras.
    Se quer se envolver com política, tudo bem. Mas querer sujar o nome do que chamaríamos de "cristianismo", a meu ver, é um exagero.
    Ele poderia falar o porque que a Igreja Primitiva não precisou se envolver com política para impactar o mundo e a igreja de hoje precisa ficar mendigando favores.
    E ele poderia citar nomes reais de pessoas políticas cristãs que fazem a diferença "lá em Brasília".
    Parabens pelo post Alexandre
    Que o Eterno continue lhe abençoando...

    ResponderExcluir
  2. Paz, Isaque Vitor.

    Obrigado pelo Comentário.

    É, você logo percebeu que Marco se expressa bem. E desconfiou que ele tenha feita faculdade de direito. E você esta certo, ele fez sim. Não sei se chegou a terminar. Mas ele mesmo chega a dizer numa mensagem dele, que ele largou a faculdade de direito pra viver na itinerancia.

    Abraço em Cristo, Alexandre Pitante.

    ResponderExcluir
  3. Segundo informações,ele(Marco)não é convidado mais a pregar como antes,então ele precisa algo para adquirir fundos,então ai esta alguem sem preparo para assumir a politica.



    mario.

    ResponderExcluir
  4. A paz Alexandre,

    Acho complicado expormos uma opnião do tipo deve se candidatar ou não deve se candidatar....mas gostaria de dar uma opinião como membro de igreja, que viu sua liderança se envolver com a politica.
    Nossa liderança se candidatou e ganhou, como deputado estadual, e sentimos um esfriamento muito grande no lider em questão...foi uma mudança muito grande, tinhamos uma igreja muito avivada, o que ja não é mais assim.
    Esse não foi o unico motivo de esfriamento da Igreja, mais sentimos que contribuiu.
    Hoje minha opnião é, não precisamos de politicos na igreja, mas de pastores no pulpito,porque sinceramente do jeito que esta hoje, se vivermos dentro da igreja esta dificil imagina dentro do Senado ou da Camara.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  5. Foi "ignorante naquele momento..." e está sendo ignorante, agora, tb. Mas, ninguém pode negar que é muito esperto.
    Mas, qual estrago maior que ele vai fazer? Como politico ou como pastor sem mensagem com base biblica?
    Se rebaixou, sim, e não acredito que como político vai ajudar as igrejas ou a comunidade, de uma forma geral. Claro, vai ajudar o próprio bolso - muito mais.
    É pena que muitos caem na lábia dele, votando e dando dinheiro com a "sabedoria" que ele tem em pedir (leia-se extorquir).
    Misericórdia para o povo de Deus.
    Abração, Alexandre,
    Pr Durval.

    ResponderExcluir
  6. Camargo: " Como é fácil distorcer a palavra, citando personagens bíblicos quando nos é conveniente. O Referido Deputado, esquece que Daniel, seus amigos e José entraram na política não por que quiseram, mas por circunstâncias. Todos eles foram levados como escravos e estando lá, Deus, os honrou por serem fiéis. Agora, dizer ter um chamado e dividir esse tempo com a política não sendo obrigado, mas por livre espontânea vontade é esquecer o que Jesus disse em Lc. 10:2 "..Grande é a seara e poucos são os ceifeiros ". Se não votarmos em pastores que se candidatam corremos o risco sim, de votarmos em impíos, mas e esses pastores candidatos não correm o risco de terem que dividir o mesmo palanque nos comícios como os mesmos macumbeiros? Ora, se ele afirma que falou besteira quando pregou, apenas como chavões ou frases de efeito, quantos outras besteiras deve ter falado!!!?? Podemos dar crédito ao que ele fala, agora? Onde mais Deus precisa dele? No púlpito pregando o evangelho ou na câmara defendendo um projeto? Qual é o lugar mais honrado: No púlpito com homens de Deus ou nos palanques com corrupitos? O que o Brasil precisa é de homens fiéis e consagrados que pregam o verdadeiro evangelho e não de políticos. O que melhorou com a presença daqueles que já estão lá? Nada! É uma pena vermos homens que Deus levantou para serem uma benção e depois da fama se desviarem do caminho...A palavra de Deus, meus amados, está acima de qualquer opinião, explicação ou experiencia. "

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails